Estudo sugere que crianças que usam “smartphones” e “tablets” dormem menos

Cada hora passada em frente a um ecrã táctil será equivalente a menos 15 minutos de sono, indica o estudo.

Os ecrãs tácteis podem ser uma boa estratégia para entreter os filhos – que começam desde cedo a interagir naturalmente com tablets e smartphones –, mas, de acordo com um estudo realizado por investigadores do King’s College London e da Birkbeck, Universidade de Londres, podem ter efeitos nocivos no sono das crianças pequenas. Ao mesmo tempo, o grupo notou também que estes dispositivos poderão trazer benefícios ao nível das funções motoras.

O estudo abrangeu 715 pais de crianças com menos de três anos, aos quais foram feitas perguntas sobre quanto tempo as crianças brincavam com os smartphones e tablets e quais os seus padrões de sono.

Os investigadores das duas universidades britânicas chegaram à conclusão de que os bebés e crianças que usam ecrãs durante mais tempo têm um sono mais curto à noite e em geral, apesar de dormirem mais durante o dia, de acordo com o Telegraph.

Cada hora passada em frente a um ecrã equivalerá a menos 15 minutos de sono, apontam os resultados. “Não é um tempo imenso quando se está a dormir 10 a 12 horas por dia no total, mas cada minuto conta no desenvolvimento jovem, por causa dos benefícios do sono”, explica um dos investigadores, Tim Smith, à BBC.

Os resultados do estudo mostram ainda que 75% das crianças pequenas usam um ecrã táctil no dia-a-dia – sendo que entre os seis e 11 anos esse valor é 51% e entre 25 e 36 meses é 92%.

Segundo os relatos registados, há bebés com menos de um ano a passar entre uma a duas horas por dia em frente a estes ecrãs. O número sobe até às cinco horas diárias no caso de crianças entre os 12 e 18 meses.

O estudo mostra ainda que as crianças que usam dispositivos de forma mais activa e não passiva – ou seja a interagir com ecrã e não a ver filmes – têm tendência a desenvolver mais rapidamente as suas capacidades motoras.

Tim Smith admite que ainda é demasiado cedo para retirar grandes conclusões. “A ciência [nesta temática] é muito imatura, estamos atrasados na tecnologia e é muito cedo para fazer proclamações precisas”, conta à BBC.

A equipa de investigadores pretende agora realizar estudos experimentais para definir se existe uma relação causal entre o uso de ecrãs tácteis e o sono.

Fonte : Público