43 escolas premiadas com quase mais 90 horas para trabalhar com os alunos

20150824_1eMinistério recompensa melhores resultados e combate ao insucesso e abandono. Diretores dizem que as escolas que mais precisam acabam por sair penalizadas.

Os créditos horários – um benefício dado pelo Ministério da Educação e Ciência (MEC) às escolas públicas que conseguem obter desempenhos acima da média num conjunto de indicadores, desde os resultados dos alunos nas provas e exames nacionais ao combate ao insucesso e ao abandono – vão permitir que 43 escolas contem no próximo ano letivo com mais 88 horas para trabalhar com os seus alunos. Um incentivo que, diz uma associação de diretores, acaba por deixar de fora os agrupamentos mais carenciados de apoios complementares.

Como nome indica, estes créditos traduzem-se num aumento do número de horas de serviço que as escolas podem distribuir em cada ano letivo. Isso permite reforçar horários incompletos de professores ou fazer novas contratações e apostar em novas ofertas para os alunos ou reforçar as existentes. Nomeadamente as que se destinam a colmatar as dificuldades dos estudantes.

A fórmula, defende ao DN Manuel António Pereira, presidente da Associação Nacional de Diretores de Agrupamentos e Escolas Públicas, tem no entanto um senão: acaba por aumentar o fosso entre as melhores escolas e as que enfrentam dificuldades que nem sempre são dependentes dos seus esforços.

Fonte : DN